Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Notícias

Dia do Rádio na SET Expo 2017 tem painel sobre o balanço da migração AM-FM

Dia do Rádio na SET Expo 2017 tem painel sobre o balanço da migração AM-FM

O “Dia do Rádio” no SET Expo 2017 teve nesta quarta-feira, dia 23, um painel que mostra um balanço do processo de migração AM-FM. Com Eduardo Cappia (SET/AESP/EMC) na moderação, a programação contou com André Cintra (Abert), José Mauro Ávila (Mega Sistema/AESP) e Cauê Franzon (Grupo RBS). Em destaque está o balanço de 1007 canais em FM “convencional” (88.1 FM a 107.9 FM) destinados à migração, com cerca de 180 estações já ativas no FM. De acordo com Cintra, o número deve aumentar.   Ele afirma que 59 canais em FM convencional estão em “sobrestado”, o que significa que deverão aumentar a quantidade de canais destinados ao processo após a liberação por parte do MCTIC. Outras 18 frequências em FM estão nas zonas de coordenação, ou seja, depende de acordos com outros países para serem utilizados pelo processo, já que tratam de localidades próximas das fronteiras. Outros 11 canais em FM estão em anuência (MCTIC). Em resumo, a expectativa é que o número atual de 1007 será ampliado.   Juiz de Fora foi uma das cidades que contaram com a possibilidade de acomodar migrantes AM-FM na faixa convencional, mas o processo ainda deverá ser liberado pelo MCTIC.    Cintra ainda falou da necessidade de revisões em algumas regras, como “vai todo mundo para o FM convencional ou ninguém”, pois com a nova “janela” para a migração AM-FM de emissoras que perderam o prazo, algumas cidades que já contam com migrantes em 88.1 a 107.9 FM ativas, como é o caso de Santa Maria (RS), local que tem três FMs migrantes no ar, porém não comporta uma quarta migrante na faixa “convencional”.   Receptores para a faixa estendida – De acordo com Cauê Franzon, vários receptores que estão disponíveis no mercado já contam com capacidade de captação do FM estendido (a partir da faixa 76 MHz), inclusive automotivos. Porém ainda existe uma necessidade de ampliação nessa oferta. Franzon destacou que o smartphone pode ajudar significativamente na ampliação do FM estendido, já que os modelos de celulares que contam com FM ativo já são aptos a captar a partir de 76 MHz (quando se muda a área do rádio de “Américas” para “Japão”). Uma simples atualização já abriria a faixa com o “estendido” e o “convencional”.    Porém a presença do FM em celulares é algo que precisa ser acompanhado pelas entidades. Cauê mostrou o comportamento da ativação do FM em smartphones nos Estados Unidos, Canadá e México, este último superando a marca de 70% de celulares com FM ativo. Onde o sistema Android é predominante, a presença do FM é maior (já que vários modelos contam com a recepção disponível). Já o iOS (Apple) segura uma maior presença do FM nos Estados Unidos.    Esse quadro de receptores em FM, seja por celulares ou em outros formatos/aparelhos, está sendo abordado no painel "FM no Celular e o Rádio no Painel do Carro – Caminhos para o Futuro do Rádio", com moderação de Marco Túlio.    Cuidados técnicos - José Mauro Ávila fechou o painel mostrando exemplos de modulação, níveis de RDS e cuidados na instalação de transmissores. O engenheiro do Mega Sistema de Ribeirão Preto chamou a atenção para detalhes que podem minar a qualidade de cobertura e audição das atuais FMs e futuras migrantes AM-FM, prejudicando o espectro e também a audiência da emissora. Dependendo da modulação, ela pode até “agredir” o ouvinte, que vai preferir acompanhar uma outra rádio devido a sensação de incômodo com o processamento, independente do equipamento utilizado.   RCR/TudoRádio
Seminário em São Paulo fala sobre experiências de TVs e rádios legislativas

Seminário em São Paulo fala sobre experiências de TVs e rádios legislativas

O presidente da Associação Brasileira de Televisões e Rádios Legislativas (Astral), Wanderley Oliveira, abriu nesta semana o Seminário Legislativo de Rádio e TV Digital, que se encerrou na manhã desta quarta-feira, dia 23, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O evento é resultado de parceria entre Astral, Rede Legislativa, Câmara dos Deputados e Alesp. A finalidade é aproximar os parlamentos e promover a troca de experiências entre as emissoras de TV e rádios legislativas do País.   Participaram do evento a diretora-executiva da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Câmara dos Deputados, Gisele Rodrigues; o diretor de Comunicação da Alesp, Matheus Perez Granato; a diretora da Secom do Senado, Ângela Brandão; e o representante do Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações Rodrigo Gebrim.   Na terça-feira, foram realizadas três palestras: “Integração dos veículos das Casas Legislativas paulistas”, com Matheus Perez Granato; “Situação do remanejamento e novos canais da Rede”, com Carlos Neiva (engenheiro da Rede Legislativa); “Educação a distância na formação de colaboradores da Rede”, com Mônica Gropelo (TVE Jundiaí).   Nesta quarta-feira, dia 23, o evento se seguiu até às 11h30 da manhã e tratou de temas importantes, tais como a “A política de comunicação e a Rede Legislativa”, com Rodrigo Gebrim; “Desenho animado na TV Legislativa – Bob Zoom”, com Marcos Freire Mello (produtor digital, criador de Bob Zoom; “Soluções de closed caption”, com Fabrízio Reis (engenheiro da TV Câmara Jundiaí); “Grade de programação compartilhada na rede de rádios legislativas”, com Marcelo Malacrida (diretor técnico da Astral e diretor de Comunicação da Câmara Municipal de Bauru) e Evelin Maciel (representante da Câmara dos Deputados e diretora da Coordenação da Rede Legislativa. Por fim, houve a exposição do “Case da Rádio ALMT”, com Wanderley Oliveira (superintendente da TV ALMT e presidente da Astral).   Signis Brasil/TudoRádio