O ano termina com mais um mutirão da migração do rádio AM para o FM, feito pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O evento acontece na próxima quarta-feira, dia 06, com a presença de aproximadamente 50 emissoras de todo o País, em Brasília, para assinar termo aditivo de adaptação de outorga, uma das últimas etapas do processo de migração.


A cerimônia de assinatura será na sede do MCTIC, às 10h e terá a presença do ministro Gilberto Kassab.


Em 2017, o mutirão da migração passou pelos estados da Bahia, Rio Grande do Sul, Pará, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, São Paulo, Paraíba, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Mais de 600 emissoras de rádio já assinaram o contrato para a nova outorga.


As emissoras de rádio que já migraram para o FM comemoram o resultado. A Rádio Clube e a Rádio Massa, ambas de Lages (SC), afirmam que após funcionar na nova faixa, a audiência das emissoras aumentou, alcançando 80% de ouvintes da região.


A Rádio Alvorada, em Lins (SP), também já opera a faixa de FM desde outubro. De acordo com o proprietário da emissora, Cilmar Machado, nesse período de operação no FM foi possível detectar o interesse maior por parte das empresas em anunciar na emissora.


“O som mais nítido e a transmissão da programação da emissora pelo FM atraíram mais anunciantes”, disse.


Quase 1,5 mil rádios AM das 1781 existentes no Brasil solicitaram a migração para o FM. Nesta primeira etapa, cerca de mil emissoras poderão operar na faixa atual de FM, de 88 a 108 MHz. As demais emissoras terão que esperar concluir o processo de digitalização da TV para liberação da faixa estendida, de 76 até 108 MHz.
Após a migração e o início da transmissão em FM, as rádios têm 180 dias para devolver o canal AM.

 

 

RCR/ABERT