Já faz quatro anos desde que foi assinado o decreto autorizando a migração das rádios AMs para o dial FM. Desde então, cerca de 240 emissoras já realizaram a adaptação de outorga no Brasil. 

 

Também desde a assinatura, o então Ministério das Comunicações e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vêm mantendo um cronograma para fazer a adaptação das outorgas. Os órgãos do governo fizeram cerimônias em vários estados para acelerar a assinatura do ato de adaptação de outorga, viabilizando a migração AM-FM.

 

Assim, São Paulo chegou a 35 migrantes ativas na faixa FM. Já o Brasil, como um todo, está perto da marca de 240 emissoras migrantes com o processo de transição já completo.

 

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, definiu 2020 como prazo para que o MCTIC consiga migrar todas as rádios que operam na faixa AM para a modulação FM. Durante o mutirão de migração de emissoras em Belém (PA), realizado no mês passado, ele destacou que a mudança será benéfica para toda o setor.


 
“O nosso objetivo é fazer com que o Brasil conte, até 2020, com todas as emissoras operando no modelo FM. É mais eficiente, é mais barato o custeio, a qualidade do áudio é muito melhor. Com isso, os profissionais podem receber melhores salários, a emissora, com o que economiza de recursos, pode investir em melhores programações. Ganha em qualidade a radiodifusão e, portanto, o Brasil”, afirmou.


 
Até o fim de 2017, o MCTIC pretende completar o processo de migração para cerca de mil emissoras AM. Das 1.781 rádios AM do Brasil, 1,5 mil solicitaram a mudança. Nesta primeira etapa, os veículos poderão operar na faixa atual de FM, de 88 FM a 108 FM. As demais candidatas terão que esperar a conclusão do processo de digitalização da televisão, que vai liberar espaço para a modificação.

 

 


RCR/Tudo Rádio