O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, confirmou nessa quarta-feira, dia 10, durante entrevista ao programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, que o governo federal reabrirá o prazo para que as rádios AMs que ficaram de fora do processo de migração tenham nova oportunidade. Segundo o ministro, o governo federal deve publicar o decreto com o prazo de 180 dias para novas inscrições nos próximos dias.


Das 1.781 rádios AM no Brasil, 1,5 mil pediram a mudança. Nesta primeira etapa, cerca de 960 emissoras já estão aptas a operar na faixa atual de FM. Dessas, mais de 300 rádios já estão operando definitivamente em FM. As demais terão que aguardar a conclusão do processo de digitalização da televisão, que vai liberar espaço para o chamado “dial estendido”.

 

De acordo com Kassab, com a migração, as emissoras poderão prestar melhores serviços com qualidade de som aperfeiçoada.

 

“A comunicação cada vez mais é local, as empresas são locais e, quando migra da AM para a FM, o sinal atinge menores distâncias, mas melhora sensivelmente a qualidade, há bem menos interferências”, explicou. “Além disso, o custeio da rádio é mais baixo, os equipamentos mais baratos, sobra [mais recursos] para a rádio contratar mais profissionais e fazer uma programação melhor”, acrescentou o ministro.

 

Após a assinatura do termo com o Ministério, as rádios devem apresentar uma proposta de instalação da FM e solicitar à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a permissão de uso da radiofrequência. Depois da liberação da Anatel, os veículos já podem começar a transmitir a programação na faixa de FM.

 

Para fazer a migração, os radiodifusores terão que pagar entre R$ 8,4 mil e R$ 4,4 milhões, que é o valor da diferença entre as outorgas de AM e de FM e foi estimado pelo governo federal. As emissoras também precisarão adquirir equipamentos para a transmissão do novo sinal. Segundo Kassab, o governo abriu linhas de financiamento para que as empresas comprem esses equipamentos e consigam fazer a migração.

 

 


RCR/TudoRádio/ Agência Brasil