No dia 21 de julho, o próximo mutirão da migração do rádio AM para FM acontece em Campo Grande (MS), com uma cerimônia de assinatura do termo aditivo de adaptação da outorga, que vai reunir emissoras do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul. No total, 66 rádios dos dois estados pediram para mudar de faixa. Segundo o MCTIC, 19 delas ainda têm exigências a serem cumpridas.

 

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab; o presidente da Associação de Emissoras de Radiodifusão do Mato Grosso Sul (AERMS), Rosário Congro Neto; o presidente do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão no Estado do Mato Grosso, Diógenes Fagundes; o presidente da Associação Mato-Grossense das Emissoras de Rádio e Televisão (AMERT), Moisés Braz de Proença, e o diretor de Rádio da ABERT, André Cintra, estarão presentes na solenidade.

 

Migração pelo país - No Brasil, aproximadamente 550 emissoras já assinaram os termos aditivos da migração. O MCTIC tem feito uma maratona pelo país para concluir a primeira fase do processo. A expectativa é que até o fim de 2017, as rádios tenham concluído a migração.

 

O MCTIC já passou pelos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, São Paulo e Paraíba. O primeiro mutirão ocorreu em Brasília (DF) e reuniu 240 radiodifusores de todo o país no Palácio do Planalto, em 7 de novembro de 2016, quando é comemorado o Dia do Radialista.

 

Das 1781 emissoras de rádio AM existentes no país, 1439 solicitaram a mudança e 1050 já foram contempladas com o canal na faixa de FM. As demais emissoras irão migrar após o desligamento da TV analógica, quando serão liberadas as faixas 5 e 6, hoje ocupadas pelas TVs.

 

 


RCR/ABERT