Nesta quinta-feira, dia 29 de março, dando continuidade a nossa série especial sobre as bases geradoras da Rede Católica de Rádio, falaremos sobre a Rede Tua, na região sul do País.

 

Nosso entrevistado, Frei João Romanini, também presidente de Signis Brasil, conta sobre as novidades da Base Geradora, que conta com interação e uma comunicação integrada.

 

Segundo Frei Romanini, no quesito da migração foi traçada uma nova estratégia de público e de programação. A linguagem na Rede Tua passa por uma transição com as programações ALL News e de entretenimento.

 

“A partir da possibilidade de migração aproveitamos para ver, a partir de uma pesquisa, quem era o nosso público e deixamos as pessoas falarem sobre nós, fomos a campo e deixamos que as pessoas “batessem”  apontando os nossos erros. Contratamos uma pesquisa de mercado e tendência de consumo e, a partir dela, iniciamos um processo de discussão  como iríamos transformar esses resultados em programação”, explica.

 

A pesquisa apontou para um redirecionamento de público e então deram início a algumas transformações.

 

“Rejuvenescemos  os conteúdos para, pelo menos, 20 anos a menos, e iniciamos um processo de reeducação dos profissionais do rádio, inclusive com mudanças de personagens, para atingir públicos distinto. Começamos a falar para públicos diferentes, a partir da faixa etária e horários de consumo de rádio”, diz.

 

Até mesmo a programação e as notícias passaram a ter mais objetividade e linguagem. Sendo recicladas o tempo todo para os públicos específicos. 

 

“Descentralizamos a produção para as unidades de rádio, e passamos a ter uma linguagem mais abrangente, sem perder o público local de cada cidade. O apresentador sempre é local nos horários de maior audiência, deixando para a rede os horários que precisam ser feitos ‘ao vivo’, mas não comprometendo o faturamento local. A nova audiência foi aparecendo em todas as faixas de horários, ainda não temos  dados  para uma análise mais aprofundada,  foi  notado um aumento considerável de receitas em apenas  5 meses nas emissoras de rádio”, esclarece.

 

 Também de acordo com os rumos que a Rede Tua está tomando, agora o WhatsApp também se tornou distribuidor de conteúdo, o que sinaliza uma comunicação que integra cada vez mais as mídias convencionais e digitais em um só objetivo.

 

“Hoje integramos em uma plataforma única, 22 emissoras de rádio, além do jornal, que constroem pautas conjuntas e distribuem entre si a produção de conteúdo. Isso baixa o custo de produção e potencializa informações relevantes. Estes mesmos conteúdos são acionados no site e distribuídos em vários formatos, inclusive para ‘podcast’, para as plataformas das redes sociais e em aplicativos próprios”, afirma.

 

Festivais: a nova aposta - A Rede, para completar o seu novo perfil, também passa a investir mais em eventos, festivais e está saindo do comercial. A empreitada está em fase de testes.

 

“Estamos apostando em festivais, pois as emissoras podem juntar milhares de pessoas. É uma forma de ancorar faturamentos extras para elas, além de dar oportunidade para os patrocinadores das rádios estarem presentes junto com seus consumidores. Esta modalidade também foi percebida pela pesquisa que a emissora de rádio deve proporcionar nas cidades de abrangência, modalidades de entretenimento e de programação cultural para as comunidades. O Festival tem também  um exercício de sair do formato de vender rádio em  breaks comerciais, mas apresenta novas soluções de vendas e de engajamento dos clientes comerciais”, conclui Romanini.

 

Segundo o planejamento da Rede Tua, reformas desse porte, em âmbito macro, devem  ocorrer de 20 em 20 anos a fim de renovar sempre as emissoras.




Da Redação