Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Igreja

Pe. João Schiavo será o novo beato brasileiro

Pe. João Schiavo será o novo beato brasileiro

A Beatificação do Venerável Pe. João Schiavo, acontecerá no próximo dia 28 de outubro, às 10 horas, nos Pavilhões da Festa da Uva, em Caxias do Sul (RS).  A celebração será presidida pelo Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, que virá especialmente de Roma para esta celebração, e contará ainda com a presença de vários bispos, centenas de sacerdotes, religiosos e autoridades eclesiais. O evento está sendo organizado pela Diocese de Caxias do Sul, Congregação das Irmãs Murialdinas de São José e a Congregação dos Josefinos de Murialdo, juntamente com a Associação dos Amigos do Pe. João Schiavo, com o apoio da comunidade caxiense e os devotos. O ponto alto da Beatificação será a leitura do documento do Papa que proclama o Pe. João Bem-Aventurado a o descerramento da imagem representando o Pe. João Schiavo na glória de Deus. O quadro, pintura a óleo em tela de 2,70 X 1,60 foi produzida pelo caxiense Vasconcelos Machado de Oliveira e levou três meses para ficar pronta. Após a Beatificação a imagem permanecerá na capela do Pe. Schiavo, onde está seu túmulo, em Fazenda Souza. A Beatificação será um momento raro e grandioso para a Igreja, visto que hoje, segundo o Postulador da Causa, Pe. Orides Ballardin, a Congregação das Causas dos Santos tem protocolados mais de quatro mil Causas de Beatificação e Canonização. Pe. Orides considera que o processo foi relativamente rápido: “iniciou em 2001 e recém celebramos os 50 anos de morte do Pe. João Schiavo e os 20 anos da cura que o Vaticano reconheceu como milagre”. Para o evento religioso, são esperados milhares de pessoas de todo o Brasil e do exterior, onde chegou a devoção ao Pe. João Schiavo, inclusive com relatos de graças alcançadas em diversos países. Da Argentina, onde há a presença dos Josefinos e Murialdinas, chegarão 160 pessoas, além de devotos do Chile, Equador e da Itália, de onde vem um grupo de 31 pessoas, incluindo 9 parentes do futuro beato. Beatum tem origem no latim e significa “feliz”, “bem-aventurado” e representa o último passo antes da canonização - ou seja, santo. As etapas são as seguintes: Servo de Deus; Venerável; Beato; Santo. Com a Beatificação do Pe. João Schiavo, o Brasil alcança o número de 52 beatos e 36 santos.   Etapas cumpridas do Processo de Beatificação A Causa de Beatificação do Pe. João Schiavo, foi introduzida na Diocese de Caxias do Sul, pelo bispo Dom Paulo Moretto, em agosto de 2001. Neste mesmo ano, foi aberto o processo diocesano sobre a vida, virtudes e fama de santidade do Pe. João Schiavo e concluído em outubro de 2003, sendo entregue no Vaticano, em novembro do mesmo ano. Foi instaurado novo processo na Diocese de Caxias do Sul, em 2009, para analisar a cura de Juvelino Cara, recolhendo depoimentos dos médicos e enfermeiras que o atenderam e familiares próximos. Em dezembro de 2015, após ter recebido o parecer da Comissão de Cardeais que analisaram o Livro sobre a Vida, Virtudes e Fama da santidade do Servo de Deus, o Papa Francisco decretou a Venerabilidade de Pe. João Schiavo.   Em fevereiro de 2016, a Comissão de Médicos do Vaticano reconheceu, na documentação analisada, que a cura não tem explicação médico-científica. Em junho cumpriu-se mais uma etapa do processo com a avaliação positiva da Comissão de Teólogos do Vaticano, composta por sete estudiosos da Congregação das Causas dos Santos, que analisaram as orações feitas por intercessão de Pe. João Schiavo para obter a cura do caxiense Juvelino Cara. No dia 18 de outubro de 2016, ocorreu, em Roma, a Reunião Ordinária dos Cardeais e Bispos, etapa final do processo de beatificação do Padre João Schiavo. No dia 1º de dezembro de 2016 o Papa Francisco autorizou a Congregação das Causas dos Santos promulgar o Decreto de Reconhecimento do Milagre de cura do caxiense Juvelino Cara, pela intercessão do Venerável Servo de Deus Pe. João Schiavo, Josefino de Murialdo, italiano que viveu na Serra Gaúcha de 1931 a 1967 e realizou inúmeras obras relacionadas à educação, obras sociais e formação religiosa. O Vaticano confirmou no dia 04 de fevereiro de 2017 a data da Beatificação do Venerável Pe. João Schiavo, para o dia 28 de outubro do mesmo ano.   Milagre Em outubro de 1997, a partir de uma aguda dor intestinal, Juvelino Carra, de Caxias do Sul (RS), foi encaminhado para uma cirurgia de emergência (laparotomia). O médico cirurgião Dr. Ademir Cadore constatou que na realidade se tratava de uma trombose mesentérica venosa superior aguda, envolvendo todo o intestino delgado. Após atenta observação, averiguação e avaliação, foi tomada a decisão de desistir da cirurgia, fechar o abdômen e encaminhar o paciente à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para ser acompanhado até à iminente morte. Os familiares foram informados pelo médico da real situação: “Não há o que fazer a não ser aguardar o óbito”. Diante desta desconcertante notícia, a esposa de Juvelino pegou o santinho com a oração de Pe. João Schiavo, e repetia: “Pe. João, tu deves sarar meu marido, tu deves ajudá-lo, tu deves reconduzi-lo para casa...”, enquanto apertava forte a imagem, a ponto de amassá-la. Uma vez na UTI, Juvelino começava a dar evidentes sinais de melhora, para surpresa de todos. Em sete dias teve alta hospitalar, sem apresentar problemas ou sequelas. Transcorridos 12 anos do acontecido, por ocasião do processo sobre o presumível milagre, as avaliações da equipe médica do Vaticano confirmaram o estado de saúde normal de Juvelino. *Milagre: Consiste em uma graça alcançada cujo resultado a ciência é incapaz de produzir, necessita da intervenção divina.   Quem foi e quais as principais obras de Pe. João Schiavo? O sacerdote, da Congregação dos Josefinos de Murialdo, nasceu na Itália, em Sant’Urbano de Montecchio Maggiore (VI), no dia 8 de julho de 1903 e desde criança desejava ser padre. Entrou na Congregação dos Josefinos de Murialdo e, em 1919, fez sua primeira Profissão Religiosa. No dia 10 de julho de 1927, com 24 anos, foi ordenado sacerdote. Quatro anos depois, realizando seu desejo de ser missionário e seguindo a ordem da obediência, partiu para o Brasil, chegando em Jaguarão (RS), no dia 05 de setembro de 1931 e de lá, poucas semanas depois para Caxias do Sul (RS), mais especificamente em Ana Rech para se dedicar a animação e formação dos candidatos para a Congregação dos Josefinos de Murialdo. Desde que chegou em solo brasileiro, Padre João desenvolveu uma intensa atividade vocacional e foi o primeiro mestre de noviços da missão Josefina no Brasil. Viveu sua vocação e missão sobretudo na Região de Caxias do Sul: em Ana Rech, foi animador dos seminaristas e noviços, professor, iniciador e diretor da Escola Normal Rural Murialdo; em Galópolis, foi diretor da Escola e pároco; em 1941, fundou o Seminário Josefino de Fazenda Souza, interior de Caxias do Sul, sendo o primeiro diretor dessa obra que marcaria sucessivas gerações de jovens. Além disso, funda no Brasil a Associação das Mães Apostólicas com o intuito de ter o apoio e a oração pela perseverança dos seminaristas. Fundou diversas obras em favor das crianças e jovens pobres: Abrigo de Menores São José, em Caxias do Sul; Obra Social Educacional, em Porto Alegre (Partenon e no Morro da Cruz, respectivamente); Abrigo de Menores em Pelotas e Rio Grande (RS); Colégio Nossa Senhora Mãe dos Homens, em Araranguá (SC).  Foi o primeiro Superior  dos Josefinos da então Vice-Província no Brasil de 1937 a 1946 e Provincial  de 1947 a 1956. A ele se deve o desenvolvimento das Obras Josefinas, o reconhecimento oficial das escolas e a formação religiosa dos primeiros confrades brasileiros.  Após um período de discernimento, em consonância com o fundador das Irmãs Murialdinas de São Jose Padre Luigi Casaril, no dia 09 de maio de 1954, Pe. João Schiavo iniciou, em Fazenda Souza\Caxias do Sul, o primeiro grupo das Irmãs Murialdinas de São José, no Brasil. Em 1957 fundou em Fazenda Souza, a Escola Santa Maria Goretti das Irmãs Murialdinas, onde atuou como diretor e professor.  Em fevereiro de 1956 deixou o cargo de Superior Provincial, mas continuou prestando serviço à sua Congregação e dedicando-se às Irmãs Murialdinas. Padre João Schiavo, cuja saúde há tempo estava debilitada, adoeceu gravemente no final de novembro de 1966 e faleceu dia 27 de janeiro de 1967, com fama de santo.       Desde então, sua sepultura, atualmente no interior de uma capela que leva o seu nome, em Fazenda Souza, é local de orações e peregrinações. Ali, todo o dia 27, às 16 horas, é celebrada missa em sua memória. Por sua intercessão são atribuídas muitas graças e a fama de santidade estende-se até mesmo para fora do Brasil, com relatos de graças alcançadas na Argentina (Mendoza) e outras nações onde atuam os Josefinos e as Murialdinas.   A RCR disponibilizará beatificação do Padre João Schiavo para rádios do Brasil. O áudio pode ser captado pelo site www.tuaradio.com.br ou  sintonizar via Satélite*. A celebração de beatificação do Padre João Schiavo está prevista para ocorrer às 10h com  previsão de término às 12h30m, diretamente do local do evento, em Caxias do Sul.  
Igreja no Brasil inicia Mês das Missões atualizando o convite do papa Francisco: uma Igreja em saída

Igreja no Brasil inicia Mês das Missões atualizando o convite do papa Francisco: uma Igreja em saída

Para a Campanha Missionária de 2017, as Pontifícias Obras Missionárias (POM) elegeram como tema “A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”, que será trabalhado com a campanha durante todo o mês de outubro. A inspiração vem do convite do papa Francisco na Evangelii Gaudium para uma “nova etapa evangelizadora marcada pela alegria” (EG,1).   O Mês das Missões é um período de intensificação das iniciativas de animação e cooperação missionária em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar, despertar vocações missionárias. A coleta no Dia Mundial das Missões – instituído pelo papa Pio XI em 1926, que ocorre sempre penúltimo final de semana de outubro, este ano será nos dias 21 e 22.   Todos os recursos arrecadados são utilizados para a animação e cooperação missionária em todo o mundo, pois e uma coleta universal.   Tudo está em sintonia como os ensinamentos do papa Francisco quando afirma: “A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontraram com Jesus” (EG 1). Essa alegria precisa ser anunciada pela Igreja que caminha unida, em todos os tempos e lugares, e em perspectiva ad gentes. Por isso, o lema: “Juntos na missão permanente”.   Para o bispo auxiliar de São Luís (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB, dom Esmeraldo Barreto de Farias, a campanha não deve ser restrita aos conselhos missionários paroquiais ou diocesanos.   “Todos nós somos convidados a participar, pastorais, movimentos e as pessoas de boa vontade. A igreja é por natureza missionária e, cada um e nós, a partir do nosso batismo somos chamados a ser um missionário”, destaca o bispo.   Para facilitar o acesso ao conteúdo de divulgação, disponível no site das POM, foi lançado também no final do 4º Congresso Missionário Nacional, que aconteceu de 7 a 10 de setembro, em Recife (PE), o aplicativo para celular, o ‘Zappar’, explica o diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias (POM), padre Maurício da Silva Jardim.   “A novidade é que este ano temos um aplicativo, e com este aplicativo, apontamos para a arte, tanto da Novena Missionária como a Oração Missionária, o cartaz, e o celular o lê e abre um vídeo de apresentação da Campanha e as pessoas podem acessar todo o material, inclusive os nove testemunhos”, conta.   A Campanha Missionária, na qual colaboram a CNBB por meio da Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial, a Comissão para a Amazônia e outros organismos que compõem o Conselho Missionário Nacional (Comina) é organizada pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) que preparou um amplo material de divulgação e estudos. Entre eles, subsídios, DVD´s e orações.   Todos os itens da Campanha foram enviados às Arqui/dioceses e prelazias do Brasil para serem distribuídos entre as paróquias e comunidades. Clique aqui e baixe todo o material da campanha RCR/CNBB