Na programação desta sexta-feira, dia 13, no terceiro dia da 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), houve reunião reservada para debater uma pesquisa sobre o perfil dos padres brasileiros. O encontro se iniciou às 9h15 da manhã e encerrou-se às 10h00.


Segundo o levantamento, o perfil dos padres brasileiros é jovem, diocesano e de brasileiros (já houve predominância de padres estrangeiros). As informações são de uma pesquisa ainda não finalizada que a CNBB está desenvolvendo desde 2014. Os dados foram apresentados pelo arcebispo de Palmas (TO), dom Pedro Brito Guimarães, na segunda Coletiva de Imprensa da 56ª Assembleia Geral (AG) da CNBB, realizada dia 12.


O levantamento começou com a formulação de um questionário de 100 perguntas que foi enviado a 25 mil padres brasileiros. Destes, 1/3, cerca de 7 mil responderam.


A segunda sessão, no auditório do Centro de Convenções Pe. Vitor Coelho de Almeida, está em curso desde as 11h15 e vai até 12h45. Os assuntos abordados são: a palavra dos bispos eméritos, assuntos ligados à liturgia e o projeto Igrejas Irmãs. 

 

Já das 15h40 às 17h, será a vez da apresentação do texto com o resultado do trabalho da Comissão de Reforma do Estatuto CNBB, instituída em 2015, a pedido da própria Assembleia Geral dos Bispos.


O Estatuto Canônico e Regimento da CNBB foi aprovado em 2001 e publicado como Documento nº 70, tendo já completado 17 anos de funcionamento. 
Segundo cardeal Raymundo Damasceno, arcebispo emérito de Aparecida (SP) e que preside o trabalho de revisão do estatuto, a Comissão enviou uma correspondência aos bispos brasileiros pedindo suas contribuições. “Recebemos sugestões muito importantes e positivas. Fizemos uma análise destas e estamos aproveitando-as para atualizar o documento. Também as que, pelos anos de experiências na CNBB e nas comissões, julgamos oportunas inserir", disse.

 

3º Coletiva de Imprensa -  A Coletiva desta sexta-feira abordará a realidade dos bispos eméritos, a reforma dos estatutos da CNBB e o projeto Igrejas Irmãs.
Os bispos que se aposentam, isto é, os eméritos, serão ouvidos pela 56ª Assembleia Geral neste terceiro dia de trabalho. Eles estarão presentes na missa da manhã, às 7h30, no Santuário Nacional, e depois terão também uma palavra aos bispos reunidos em Aparecida (SP). Formalmente, eles não são mais membros da Conferência, mas fraternalmente são convidados, reconhecidos e ouvidos pelos membros da CNBB.


Já o projeto “Igrejas Irmãs”, também abordado na coletiva, desde a década de 1970 realiza acordos fraternos entre dioceses em torno de colaborações, sobretudo missionárias, no qual dioceses que têm mais estrutura oferecem à dioceses mais necessitadas.


Cardeal Damasceno, ex-secretário-geral e ex-presidente da CNBB, coordena os trabalhos de estudos e de atualizações dos Estatutos da entidade. Ele vai falar sobre as principais linhas do que está sendo feito e no que isso pode mudar as características já conhecidas da Conferência Episcopal.

 

 


RCR/CNBBSul4/CNBB